ISO 55.000: Como aplicá-lo na gestão de ativos?
ARTIGOS

ISO 55.000: Como aplicá-lo na gestão de ativos?

Engeman
Escrito por Engeman

Fazer uma boa gestão de ativos significa administrar os bens e recursos de uma empresa de forma que eles tragam o máximo retorno possível. O tema é tão importante que ganhou uma norma dedicada a ele: a ISO 55.000.

Desde sua publicação, empresas no Brasil e no mundo buscam se adaptar às diretrizes dela e seguir os princípios da gestão de ativos. Mas, afinal, o que isso significa? Como a ISO 55.000 pode ser implementada? Qual o impacto dela na manutenção? Continue lendo para entender mais!

O que significa fazer gestão de ativos?

Antes de tudo, precisamos entender o que é a um ativo. Em linhas gerais, é tudo que pode trazer valor para a empresa, imediatamente ou em algum momento no futuro. Esse conceito é bem amplo e pode incluir máquinas e equipamentos, imóveis, marcas, patentes, direitos, ações, ferramentas, contratos, know-how e assim por diante.

Fazer a gestão de ativos é, portanto, gerenciar o ciclo de vida de todos eles. Essa atividade começa já no planejamento da aquisição: o investimento é necessário? Depois, a gestão de ativos se preocupa com a utilização, a manutenção e, finalmente, com o descarte.

O objetivo é que cada ativo gere o maior benefício possível, com custos equilibrados e riscos minimizados. Assim, espera-se aproveitar oportunidades e aumentar a performance da empresa.

O que é a norma ISO 55.000?

Assim como outras publicações da ISO (International Organization for Standardization), ela é uma norma internacional. No Brasil, a ISO 55.000 é divulgada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e existe desde 2014.

Essa norma apresenta os conceitos gerais da gestão de ativos e especifica seus princípios e terminologia. Além da ISO 55.000, existem outras duas normas da família:

  • ISO 55001: requisitos de um sistema de gestão de ativos

  • ISO 55002: diretrizes para a aplicação da ISO 55001

Antes da criação dessa família de normas, porém, já se falava em gestão de ativos. As empresas perceberam a necessidade de controlar custos operacionais e passaram a se preocupar com a maneira de gerir seus ativos.

Em 2004, a BSI (British Standards Institution) publicou, na Inglaterra, o PAS 55. Esse documento contém 28 aspectos-chave da gestão de ativos. Ele serviu como base para criação da norma, 10 anos mais tarde.

A diretriz contém diversos conceitos e passa, por exemplo, pelo gerenciamento de dados, de risco e de materiais e pelo planejamento da manutenção.

O objetivo da ISO 55.000 é unificar os princípios de gestão de ativos ao redor do mundo, fazendo o mundo corporativo falar a mesma língua. Em conjunto com as demais normas da família, é possível criar um sistema de gestão de ativos bem estruturado e eficiente.

Quais são os benefícios trazidos por ela?

As normas ISO têm excelente reputação no mercado e trazem muitos benefícios para as corporações que as adotam. Falando especificamente da família ISO 55.000, podemos citar alguns pontos positivos. Confira!

Metodologia e critérios claramente definidos

O primeiro impacto ocorre pois, com a adoção da norma, todos os setores da empresa passam a entender a gestão de ativos e conhecer suas responsabilidades em relação a ela. Assim, a metodologia de trabalho e os critérios para tomada de decisões ficam definidos com clareza.

Lucratividade

Com investimentos mais inteligentes e ativos trabalhando em sua capacidade máxima, o retorno sobre o investimento é maximizado e os custos são reduzidos. Assim, a empresa tende a ganhar em lucratividade.

Transparência

Ao implementar a ISO 55.000, a empresa passa a ser capaz de comprovar que faz uma boa utilização dos seus ativos. Com isso, fica mais fácil justificar as decisões tomadas, demonstrar a eficiência dos ativos, provar a necessidade de investimento e assim por diante.

Sustentabilidade do negócio

Por fim, a empresa que adota uma gestão de ativos eficiente consegue ganhar em diversos aspectos que garantem a sustentabilidade do negócio.

Essas variáveis incluem melhoria da qualidade dos produtos, mais segurança para seus colaboradores, gerenciamento de riscos, demonstração de responsabilidade social e muito mais.

Como implementar a gestão de ativos segundo a norma?

Como já falamos, a implementação da gestão de ativos segundo a norma se dá pela observação dos itens contidos nas três normas da família. As normas não descrevem processos para a gestão de ativos, mas um sistema. Segundo elas, o processo deve conter 7 elementos:

  1. Contexto da organização: objetivos, necessidades e plano estratégico

  2. Liderança: comprometimento, estabelecimento de uma política de gestão de ativos e atribuição de responsabilidades

  3. Planejamento: avaliação de riscos e oportunidades, estabelecimento de objetivos, documentação de critérios, integração com outras atividades de planejamento

  4. Suporte: fornecimento de recursos e de pessoal para a gestão de ativos, comunicação e conscientização

  5. Operação: implementação, monitoramento de riscos, gestão da mudança

  6. Avaliação de desempenho: definição de métricas, medição do desempenho financeiro da gestão de ativos, realização de auditorias

  7. Melhoria: tratamento de não conformidades e estabelecimento de práticas de melhoria contínua

Na prática, o sistema de gestão de ativos precisa ser implementado segundo várias frentes. Entre elas, destacamos:

  • estratégia e plano de manutenção incluindo histórico, custos, itens de controle e equipamentos críticos. Devem ser criados planos de manutenção preventiva e preditiva;

  • qualificação de mão de obra;

  • gestão de materiais e redução de desperdício;

  • qualificação de fornecedores;

  • rotinas de inspeção e auditorias;

  • padronização de documentos e emissão de relatórios.

Qual a relação entre gestão de ativos e manutenção?

Embora a gestão tenha relação com ativos de toda natureza, as máquinas e equipamentos ainda representam boa parte dos bens da empresa e têm impacto direto na produtividade. Portanto, uma boa gestão de ativos sempre passa pelo setor de manutenção.

A gerência de manutenção deve entender completamente a importância de fazer a gestão dos equipamentos e promover boas práticas no sentido de otimizar a performance e reduzir as falhas deles.

Para isso, o gestor precisa se preocupar em planejar, documentar, relatar e documentar todos os detalhes dos processos de manutenção.

Assim, ele contribuirá para uma boa gestão de ativos, na medida em que reduzirá as chances de quebra de equipamentos e prolongará a vida útil deles.

Como obter a certificação da ISO 55.000?

Primeiro, será preciso conhecer os ativos que estão em posse da empresa no momento. Portanto, um inventário é uma boa ideia.

Depois, será necessário definir objetivos e metas para a gestão de ativos e capacitar o pessoal. Também deverão ser adquiridos os recursos necessários para a implementação, como softwares ou outras tecnologias.

Todo o processo pode ser acompanhado por uma consultoria especializada ou realizado pelo próprio pessoal da empresa, desde que tenham o devido conhecimento. Por fim, após implementar todos os passos, a empresa pode procurar as certificadoras.

Para finalizar, ressaltamos que o trabalho não termina com a certificação da ISO 55.000. A gestão de ativos deve ser parte da rotina e um plano de longo prazo.

E aí, quer saber mais sobre gestão e manutenção? Siga nossas páginas no Facebook, Linkedin e Google+ e acompanhe tudo!

 

 

Sobre o autor

Engeman

Engeman

Deixar comentário.

Share This