Engenharia de manutenção e gestão de empresas: entenda essa relação

engenharia de manutenção e gestão de empresas devem andar lado a lado, a fim de minimizar problemas e conseguir fazer seu negócio não só atuar sem problemas

Manutenções de equipamentos podem ser verdadeiros problemas para gestores despreparados, que não realizem um acompanhamento eficiente e sistêmico acerca desse tema. O problema é que complicações geradas nessa área comprometem seriamente o andamento da organização.

Assim, engenharia de manutenção e gestão de empresas devem andar lado a lado, a fim de minimizar problemas e conseguir fazer seu negócio não só atuar sem problemas, mas também, garantir um crescimento sustentável por meio dessas ações.

Continue lendo este artigo e veja qual é a importância da engenharia de manutenção na gestão das empresas. Veja exemplos de como isso funciona no ambiente organizacional e compreenda os benefícios de investir nessa área.

Qual a importância da engenharia de manutenção na gestão das empresas?

Pense em uma linha de produção. Cada fase depende das demais para que os processos ocorram de forma fluida, evitando atrasos, defeitos nos produtos, entre outros. Ou seja, se há uma máquina com defeito, consequentemente, a linha de produção congela.

Sem uma engenharia de manutenção eficiente, as paralisações para consertos ou para manutenções preventivas podem também gerar prejuízos. Imagine, por exemplo, parar os trabalhos no auge das atividades produtivas. Isso gera uma perda considerável na rotina daquele dia, podendo comprometer os prazos de entrega e, consequentemente, a imagem da sua empresa.

A insuficiência de manutenção traz consequências pesadas, muitas delas, às vezes, não percebidas e não medidas. Isso porque muitos gestores ficam atentos para o funcionamento permanente do equipamento e não percebem que não há, no momento, as condições de “regularidade” de funcionamento. As consequências disso são as seguintes:

  • desperdício de insumos e matéria-prima;
  • refugo do produto;
  • consumo exagerado de peças de reposição nas manutenções corretivas;
  • excesso de horas trabalhadas em sistema de emergência;
  • perda de produtividade;
  • perda de qualidade no produto;
  • comprometimento da segurança dos colaboradores;
  • excesso de ocorrências diretas e consequentes;
  • gasto excessivo com contas de infraestrutura, derivados do consumo exagerado de água e eletricidade.

Engenharia de Manutenção Hospitalar

Essas questões são bastante sérias. Por exemplo, imagine um funcionário passar por um acidente de trabalho derivado de uma máquina que, por defeito, realizou uma lesão permanente no colaborador. Isso pode gerar, até mesmo, processos trabalhistas que rendam não só prejuízos financeiros, mas também queda de reputação no mercado.

E isso não é aplicável somente em empresas de produção de produtos para venda: as prestadoras de serviços também devem ficar atentas ao seu maquinário, elaborando um plano de manutenção eficiente por meio da engenharia de manutenção.

Pense, por exemplo, em um hospital, com seus leitos de UTI. Se um equipamento falha, perde-se um leito disponível para atendimento. Isso é uma falha grave, já que pode comprometer as chances de salvar a vida de uma pessoa em caso de emergência. Por isso, a engenharia de manutenção hospitalar é vital nesses ambientes.

Assim, toda organização, de qualquer espécie, cujo trabalho dependa de máquinas que estejam sujeitas a defeitos devem elaborar uma gestão de manutenções eficiente para minimizar as chances de problemas.

Como a engenharia de manutenção pode ajudar no desenvolvimento da empresa?

Por aí já podemos perceber que a engenharia de manutenção é vital para a maioria das organizações. Sem ela, pode-se ter um severo comprometimento das atividades, gerando prejuízos inestimáveis. Mas como ela pode ser uma aliada para o desenvolvimento da empresa?

Em primeiro lugar, máquinas que estejam funcionando no máximo de eficiência permitem uma linha de produção mais produtiva. Às vezes, uma simples reposição de óleo, realizada na manutenção preventiva, é o suficiente para não ter perdas de produção derivadas de problemas com as máquinas.

Além disso, a qualidade dos produtos se mantém impecável. Pense em uma empresa têxtil, que trabalhe com confecção de camisas. Se a lâmina da máquina de corte não estiver devidamente afiada, o risco de cair a qualidade da roupa, com tecidos esgaçados, é enorme.

Também, podemos acrescentar que obtendo eficiência total com máquinas devidamente calibradas, os prazos são cumpridos, já que não há atrasos no processo produtivo, originados de defeitos em equipamentos.

Assim, sua empresa consegue manter uma imagem positiva no mercado, oferecendo não só qualidade, mas também surpreendendo o cliente, conseguindo, até mesmo, adiantar alguns prazos de entrega. Também, podemos acrescentar como benefício para o crescimento da empresa:

  • economia com redução de desperdício de insumos;
  • maior segurança para os colaboradores, que conseguirão trabalhar mais tranquilos, sabendo que o risco de acidente é minimizado;
  • maior vantagem competitiva;
  • redução de gastos com peças de manutenção, entre outros.

Como a liderança de gestão de manutenção funciona nas empresas?

Podemos apresentar um exemplo de como uma liderança de gestão funciona nas empresas e como ela representa importantes ganhos para o negócio. Veja a seguir.

Uma empresa necessita produzir 7% a mais para cumprir as metas de vendas de fim de ano. Porém, a disponibilidade operacional das máquinas encontra-se em 89%, mesmo com a execução das manutenções preventivas em dia. O setor de produção definiu suas estratégias, aumentando os turnos de trabalho. Porém, só isso não é o suficiente, já que as máquinas precisam entregar uma maior eficiência, sendo necessário oferecer disponibilidade operacional de 96%, pelo menos.

Quem conseguirá esse índice será a engenharia de manutenção. Ela será responsável por estudar cada um dos ativos e verificar quais novas estratégias de manutenção podem ser implementadas, sejam elas preventivas, preditivas ou, até mesmo, corretivas, conseguindo uma otimização da disponibilidade e alcançando os índices necessários.

Quais os benefícios de uma engenharia de manutenção ativa?

Além do que falamos anteriormente, podemos ainda citar como benefícios de uma engenharia de manutenção ativa e eficiente:

  • diminuição nos tempos de conserto, devido às manutenções preventivas realizadas;
  • rotinas mais seguras e qualitativas a longo prazo;
  • elevação de vida útil dos equipamentos, diminuindo necessidade de troca antes da hora;
  • permite um melhor planejamento de paradas na produção para realização de manutenções;
  • controle de desgaste das peças;
  • estabelecimento de um cronograma preciso de manutenções preventivas e preditivas;
  • maior planejamento para aquisição de insumos para manutenção.

Assim, a engenharia de manutenção mostra-se um componente estratégico para a gestão de qualquer organização, independentemente de sua natureza. Até mesmo pequenas prestadoras de serviço podem usufruir dos benefícios que falamos acima.

Porém, para que essa relação entre engenharia de manutenção e gestão de empresas funcione adequadamente, é necessário que a atividade desse primeiro seja feita com precisão.

Para isso, veja nosso artigo que elucidará como fazer análise de falhas e manutenção da empresa de maneira eficiente e tire suas dúvidas sobre o assunto.

Deixar comentário.

nove − três =

Share This