Curva PF: o que é e qual a sua importância na manutenção

Entenda neste artigo o que é a Curva PF na manutenção, sua importância na gestão de ativos e na melhoria da eficiência operacional. Confira!

Neste artigo, explicaremos o que é a Curva PF na manutenção, destacando sua importância na gestão de ativos e na melhoria da eficiência operacional.

Manter uma operação confiável e rentável pode ser muitas vezes para muitos negócios. Isso porque equipamentos que quebram muito ou que não produzem o tempo prometido pelos fabricantes podem impactar diretamente nos lucros da empresa. Para isso, muitas ferramentas e técnicas podem ser utilizadas para otimizar os processos e garantir o sucesso.

Uma ferramenta valiosa e que tem ganhado destaque no cenário da manutenção é a Curva de Potencial de Falha (PF). Ela permite analisar a probabilidade de uma falha em relação à vida útil dos componentes, permitindo uma abordagem proativa para a manutenção, identificando e priorizando as ações necessárias para evitar falhas e evitar as temidas paradas não planejadas. 

Neste artigo, explicaremos o que é a Curva PF na manutenção, destacando sua importância na gestão de ativos e na melhoria da eficiência operacional. Saiba ainda como um software especialista em manutenção pode ser útil para a análise dos dados. Acompanhe!

Compartilhe!

O que é a Curva PF?

A Curva PF ou Curva de Potencial Falha é uma ferramenta ligada à manutenção centrada na confiabilidade (RCM) que permite a visualização de forma gráfica a probabilidade de falha de um sistema ou componente ao longo do tempo.

Traduzido do inglês, Potential Failure Curve, a curva potencial de falha vem em forma de gráfico para ajudar a medir o intervalo de tempo de operação, e ao mesmo tempo o bom funcionamento do seu equipamento. De forma mais simples, ela nos informa o tempo entre uma falha “simples” até chegar em uma falha mais complicada, que seria a falha potencial (P) e a falha funcional (F).  

Quando você tem o controle da média de vida útil do seu ativo, a sua gestão de manutenção se torna mais eficaz e menos custosa, sabendo como usar a curva PF você consegue ter esse controle em mãos.

Mas antes de prosseguirmos, vamos entender qual é a diferença entre a falha potencial e a falha funcional no tópico a seguir.

Falha Potencial X Falha Funcional

A Falha Potencial (P) e a Falha Funcional (F) são conceitos diferentes porém estão relacionados. De forma simples e resumida, a principal diferença entre as duas falhas é a gravidade de cada uma delas. 

  • Falha Potencial (P): é conhecida também como modo de falha, ela é descoberta logo em seu estado inicial e não compromete o funcionamento do equipamento, mas não deve ser ignorada, muito pelo contrário, o quanto antes você der a devida importância para falha potencial e corrigi-la de forma eficaz, mais cedo você irá evitar problemas graves no seu equipamento. Se não for tratada da maneira correta, pode vir a agravar e futuramente se transformar na falha funcional que veremos logo abaixo;
  • Falha Funcional (F):  é o estado de falha temido pelos gestores, pois compromete o bom funcionamento e desempenho do seu equipamento, diminuindo a qualidade do produto entregado, tempo de funcionamento e pode até mesmo levar o seu equipamento a parada total. Ela pode ser o resultado final de uma falha potencial não resolvida ou de uma ocorrência inesperada que impede o funcionamento normal do equipamento.

A curva PF é muito importante na manutenção, pois as tomadas de decisões entre uma falha e outra devem ser inteligentes, saber o que fazer e conhecer o tempo que você tem entre elas para realizar alguma medida preventiva ou preditiva é essencial.

Agora que já entendemos um pouco a diferença entre elas, vamos ver abaixo como a curva PF funciona na prática e como fazer o uso dela.

Como funciona a Curva PF?  

Entendendo melhor a sua forma de análise, a curva PF vai nos entregar o comportamento do ativo desde a descoberta da falha potencial até a chegada da falha funcional. Além do comportamento, ela também nos informa o tempo de funcionamento entre uma falha e outra, e algumas técnicas que podem ser usadas para detectar as falhas antes que cheguem em um estado mais crítico.

Tendo conhecimento do tempo de um ponto até o outro, você pode se preparar para usar as técnicas preditivas e preventivas apontadas no gráfico antes que a falha chegue ao seu estado funcional, e evitar então a parada do seu equipamento.

Entenda melhor no gráfico abaixo:

grafico curva pf scaled - Curva PF: o que é e qual a sua importância na manutenção

No gráfico podemos entender que o eixo vertical indica o desempenho do ativo enquanto o eixo horizontal indica o tempo operacional. O intervalo PF indicado abaixo indica o tempo de funcionamento entre a falha P (falha potencial) e a falha F (falha funcional).

À medida que o tempo vai passando e a falha não é reparada, a curva vai caindo, o que significa que o desempenho do seu ativo está diminuindo, e ao mesmo tempo a curva de custo para reparo vai subindo, pois quanto mais tarde você descobre a falha em seu equipamento mais custoso será a manutenção para reparo. Isso pode se transformar em uma manutenção corretiva, pois a falha já vai ter chegado em seu estado funcional.

Quais as Vantagens da Curva PF?

Fazendo o uso correto da curva PF, você pode ter o conhecimento de vários indicadores da manutenção para os seus ativos. Vejamos alguns deles:

  • Tempo de vida útil dos equipamentos: analisando o tempo de comportamento dos seus ativos entre uma falha e outra você saberá analisar, em um determinado período, se esse comportamento estará progredindo ou regredindo, e assim consequentemente terá o conhecimento de como está sendo a vida útil daquele ativo.
  • Desgaste do equipamento: saber o desgaste que seu equipamento vem tendo devido às falhas ocorridas é extremamente importante. Dessa forma você saberá o quanto pode confiar nele e quais decisões deverá tomar para começar a evitar esses desgastes, aumentando assim a taxa de confiabilidade e disponibilidade daquele ativo.   
  • Taxa de confiabilidade: sabendo o desgaste que seu equipamento vem tendo devido às falhas você saberá o quão confiável ele está para poder operar, e ter o desempenho desejado por você. É uma das informações mais importantes, pois com ela você faz a distribuição correta da produção para os seus ativos.

E o mais importante é que, analisando o comportamento das falhas, você pode chegar à causa raiz dessa falha. Não adianta você saber como preparar e aplicar os planos de manutenção em seus ativos, se não identificar o problema raiz para assim evitar com que essas falhas aconteçam novamente. 

 

A importância da Curva PF na tomada de decisões da manutenção

O principal objetivo da curva PF é nos informar o tempo entre as falhas para que nesse intervalo, ou até mesmo antes, possamos tomar decisões para prevenir algo mais sério. Uma dessas decisões pode ser a aplicação de um plano de manutenção inteligente.

Através da curva PF você conhece o comportamento do seu equipamento e consegue fazer uma previsão de falhas, e assim poder estruturar melhor seus planos de manutenção para evitar uma pane precoce do seu ativo.

Planos de manutenção preditivos requerem o auxílio de um software capacitado, e o Engeman® te ajuda na estruturação desses planos. No Engeman® você consegue fazer vários tipos de programações para seus planos, entre elas está a programação por coleta de tendência variável, para fazer o controle preditivo do seu equipamento.

Dentro do sistema é possível ajustar limites de valores máximos e mínimos para coletas de dados como medição de pressão, vibração, temperatura etc. E quando seu equipamento atingir esse limite que foi ajustado por você, o Engeman® pode te alertar ou até mesmo gerar uma O.S para ser executada no momento correto, evitando assim uma parada inesperada do seu equipamento.

A curva PF no software Engeman®

O Engeman® tem uma ferramenta totalmente voltada para o controle das falhas que é a Análise de Serviços. Através dela é possível analisar todos os serviços realizados em um determinado período, analisando as principais ocorrências e causas geradas. Assim você poderá realizar um estudo das falhas em um determinado equipamento.

Além dessa ferramenta, o Engeman® conta com o relatório de Análise de Ocorrências. Ele vai trazer, em um determinado período selecionado por você, todas as ocorrências dos seus equipamentos, ele informa também indicadores muito importantes como MTBF (Tempo Médio entre as Falhas) e MTTR (Tempo Médio para Reparo).

analise de ocorrencias 1 - Curva PF: o que é e qual a sua importância na manutenção

Relatório Análise de Ocorrências do Engeman®

Com todas essas informações você consegue se antecipar nas tomadas de decisões, elaborar planos de manutenção inteligentes e até mesmo evitar falhas recorrentes, e a vantagem de tudo isso é a redução dos seus custos na manutenção.

Conhecendo o seu equipamento e evitando manutenções corretivas não planejadas você consegue reduzir consideravelmente o seu gasto, visto que manutenções preventivas e preditivas são menos custosas que corretivas. Com a curva PF você também consegue ver como o custo para reparo se comporta até chegar a falha funcional.

Conclusão

Entender o comportamento dos seus ativos é com certeza uma das formas de se destacar nesse mercado tão competitivo. E para ter informações tão valiosas de forma segura é necessário contar com a ajuda de um software competente.

O Engeman® traz mais 290 relatórios que vão fornecer informações indispensáveis, e várias ferramentas para te ajudar a organizar essas informações.

Para saber mais sobre o assunto, agende uma demonstração com a nossa equipe.

Esperamos por você!

    SOLICITE UM ORÇAMENTO DO SOFTWARE ENGEMAN®.

    Siga-nos